Pular para o conteúdo principal

Túnel Liner (Método não destrutivo)

BUEIROS METÁLICOS EXECUTADOS SEM INTERRUPÇÃO DO TRÁFEGO
  
1.  GENERALIDADES 
Esta especificação trata dos procedimentos a serem seguidos na execução de bueiros metálicos montados sob vários tipos de terrenos naturais, bem como sob aterros existentes, sem interrupção do tráfego (Método Não Destrutivo).

2. MATERIAIS

2.1.  Chapas metálicas corrugadas galvanizadas 
Serão utilizadas chapas metálicas corrugadas galvanizadas para os casos em que não sejam previstas condições de utilização agressivas. As chapas serão fornecidas pelo fabricante acompanhadas dos parafusos e porcas necessárias à montagem, bem como das ferramentas apropriadas.

2.2.  Chapas metálicas corrugadas revestidas com epoxy 
A utilização de chapas metálicas corrugadas revestidas com epoxy é indicada para situações em que sejam previstas condições de utilização agressivas, como aquelas prevalentes em regiões litorâneas, regiões urbanas e na condução de esgotos sanitários e/ou despejos industriais.

Além das porcas, parafusos e ferramentas necessárias à montagem, o fabricante deverá fornecer pincéis e resina epoxy destinados ao retoque de eventuais pontos em que o revestimento tenha sido danificado durante o transporte ou manuseio das chapas.


2.3.  Material de enchimento 
Para o enchimento dos espaços vazios existentes entre a face externa das chapas metálicas corrugadas e o solo de aterro será utilizada argamassa fluida constituída de solo argiloso, cimento e água, obedecendo ao seguinte traço aproximado, estabelecido para um misturador com capacidade de 250 l: 
*     Cimento: 13 kg
*     Água: 20 l
*     Argila peneirada: 250 kg 
A argamassa assim preparada deverá apresentar uma resistência à compressão simples, aos 28 dias, de no mínimo 1,5 Mpa.

Equipamento de mistura e estoque de chapas

2.4.  Material vedante 
Caso se deseje incrementar a estanqueidade do bueiro metálico deverão ser introduzidas tiras de feltro nas emendas das chapas.

  
3. EXECUÇÃO 
As etapas executivas a serem atendidas na construção dos bueiros metálicos pelo Método Não Destrutivo são enumeradas a seguir : 
3.1.  Investigação do Terreno 
Previamente à execução da obra deverão ser efetuadas sondagens à percussão, objetivando a determinação do nível do lençol freático e dos resultados de SPT (Standart Penetration Test). Estes parâmetros se prestarão a orientar a escolha do tipo de escoramento a ser adotado. 
3.2.  Abertura de Poços de Ataque 
Caso não seja viável, em função das condições locais, o emboque direto, deverão ser abertos, em pontos convenientes, poços de ataque de seção circular, escorados com as mesmas chapas metálicas e diâmetro imediatamente superior ao utilizado no túnel.
Os poços de ataque revestidos poderão ser aproveitados como poços de visita definitivos, caso julgado necessário. 



Fotos do poço de inspeção

3.3.  Esgotamento 
No fundo do poço de ataque, caso necessário, deverá ser escavado um reservatório onde se instalará uma bomba d’água elétrica submersa. O reservatório deverá ficar em cota mais baixa do que a da geratriz inferior do bueiro, recebendo toda a água de infiltração advinda das paredes do poço de ataque e do próprio corpo do bueiro. Para favorecer o escoamento da água de infiltração, o bueiro deverá ser executado no sentido de jusante para montante.

Detalhes das tubulação de ventilação(Branco) e de esgotamento(em azul)



3.4.  Implantação 
Tendo sido locado o eixo da obra, será iniciada a escavação manual da frente de ataque, que poderá se dar a partir do próprio talude de aterro ou de um poço de ataque. 
A escavação deverá ser feita dentro de um perímetro o mais próximo possível à circunferência externa do bueiro e com profundidade aproximadamente igual ao comprimento de cada chapa, em geral 46 cm. 
Imediatamente após a escavação, será executada a montagem do primeiro anel, ajustando-se as chapas ao terreno e fixando-as uma às outras com os parafusos e porcas específicas. 
Para o prosseguimento das operações serão repetidas sucessivamente etapas de escavação e montagem de cada anel. 
Depois de montado o anel novas séries de operações permitem a montagem dos anéis seguintes e, assim, sucessivamente. Os anéis serão soldarizados nos adjacentes por parafusos e porcas galvanizados de 16 x 32 mm ou 16 x 38 mm, de acordo com a bitola, que devem ser distribuídos ao longo dos flanges laterais dos anéis. As chapas de cada anel serão emendadas por transpasse de parafusos e porcas das mesmas dimensões, porém com o pescoço quadrado e providos de arruelas de pressão, que mantém o parafuso no furo também quadrado da chapa, para permitir que a porca seja apertada pelo lado interno. 

3.5.  Vedação 
Na eventualidade de se desejar aumentar a estanqueidade do bueiro metálico, deverão ser introduzidas tiras de feltro nas emendas das chapas.

3.6.  Enchimento 
Os espaços vazios existentes entre a face externa dos anéis metálicos e o terreno natural deverão ser preenchidos a fim de se evitar recalques posteriores. Para tal, deverá ser utilizado o material fluido de enchimento especificado, o qual será injetado através de furos com diâmetro de 1 ½” executados em chapas alternadas. Para a injeção será utilizada bomba de deslocamento positivo, que permita recalcar a massa fluida com pressão de 1 Mpa. Opcionalmente, e a exclusivo critério da Fiscalização, o enchimento poderá ser feito, após a montagem de cada anel, com a utilização de soquetes de madeira especialmente construídos para este fim.

3.7.  Acompanhamento Topográfico 
A declividade e o alinhamento definidos no projeto serão controlados topograficamente, a cada etapa da montagem.

3.8.  Condições Especiais 
*     Lençol Freático: 
A presença de lençol freático elevado poderá levar à necessidade de soluções especiais para o seu rebaixamento, como a utilização de drenos sub-horizontais. Estes serviços especiais serão computados separadamente.

*     Solos Inconsistentes: 
Caso ocorram solos de baixa consistência, medidas especiais poderão ser necessárias, como por exemplo a injeção de aglutinantes no solo envolvente ao bueiro a executar. O tipo, a quantidade e o processo de injeção serão definidos através de estudos específicos, e considerados separadamente.
Poderá ser feito enfilagem tubular injetada com perfuração e aplicação de tubos metálicos SCH manchetados com injeção de calda de cimento para garantia da escavação sem que ocorra risco de desmoronamentos causando dano a obra e aos trabalhadores, o consultor geotécnico habilitado define a segurança da escavação e a metodologia executiva. 
  
3.9.  Bocas de Entrada e Saída 
Concluída a montagem dos anéis de chapas metálicas corrugadas, serão executadas as bocas de jusante e montante em concreto. Para bueiros metálicos com diâmetro até 160 cm, serão utilizadas as mesmas bocas de saída indicadas para bueiros tubulares de concreto de diâmetros aproximadamente iguais. Já para bueiros metálicos com diâmetros superiores a 160 cm, serão adotados as bocas de saídas de bueiros celulares de concreto. Neste último caso, a boca do bueiro celular será adaptada para que o muro e testa se ajuste à seção circular do bueiro metálico.

Em qualquer caso, a extremidade do bueiro metálico será encorada no concreto pela utilização de 12 (doze) parafusos galvanizados de diâmetro de ¾”, com 6” de comprimento, dispostos a cada 30º ao longo do perímetro do bueiro.
  
4. CONTROLE

4.1.  Controle Geométrico e de Acabamento 
O controle geométrico consistirá na conferência, por processos topográficos correntes, do alinhamento, esconsidades, declividades, comprimentos e cotas dos bueiros executados e respectivas bocas. 
As condições de acabamento serão apreciadas, pela Fiscalização, em bases visuais.
  
4.2.  Controle Tecnológico

O controle tecnológico do concreto utilizado na bocas será realizado pelo rompimento de corpos de prova à compressão simples, aos 7 dias de idade, de acordo com o prescrito na NBR 12655 da ABNT. Para tal deverá ser estabelecido, previamente, a relação experimental entre as resistências à compressão simples aos 28 e aos 7 dias. 
*     As características geométricas previstas tenham sido obedecidas. Em especial, as deformações de estrutura avaliadas por medidas internas não devem ser superiores a 5% do diâmetro do tubo; 

*     A resistência à compressão simples estimada (fck) est. Do concreto utilizado nas bocas, definida na NBR 12655 da ABNT seja superior à resistência característica especificada.




Jerica

Retirada do material da escavação

Ventilador

Fonte: https://sites.google.com/site/naresi1968/naresi/31-execucao-de-tunnel-liner


Comentários

  1. Respostas
    1. Fotos de Obra em Natal-RN. Chamado de Túnel Arena das Dunas.
      E Sim, algumas informações vieram de fabricantes.
      https://www.google.com.br/search?q=tunel+de+drenagem+arena+das+dunas&sa=X&espv=2&tbas=0&tbm=isch&tbo=u&source=univ&ved=0ahUKEwj_iqmE9vzSAhUKmJAKHXzeChkQsAQIOw&biw=1366&bih=613

      http://www.pontodevistaonline.com.br/tunel-de-macrodrenagem-da-arena-das-dunas-esta-obra-paralisada/

      Excluir
  2. Muito interessante esse artigo sobre a execução de Tunel Linner

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SOLOS

Introdução Solo, do latim solum, o material da crosta terrestre, não consolidado, que ordinariamente se distingue das rochas, de cuja decomposição em geral provêm, por serem suas partículas desagregáveis pela simples agitação dentro da água [Holanda, A. Buarque de]. Geologicamente, define-se solo como o material resultante da decomposição das rochas pela ação de agentes de intemperismo. No âmbito da engenharia rodoviária, considera-se solo todo tipo de material orgânico ou inorgânico, inconsolidado ou parcialmente cimentado, encontrado na superfície da terra. Em outras palavras, considera-se como solo qualquer material que possa ser escavado com pá, picareta, escavadeiras, etc., sem necessidade de explosivos.
Agentes do Intemperismo: temperatura / pressão / alterações cristalinas / hidratação / agentes biofísicos – vegetação / agentes químicos – dissolução, oxidação, redução,hidratação, hidrólise, lixiviação. 
Origem dos Solos Com base na origem dos seus constituintes, os solos podem ser di…

Cimento Pozolânico

O cimento pozolânico é constituído de clínquer portland, gipsita (alguns porcentos) e cerca de 10 a 40% de Pozolana.

As pozolanas são materiais naturais ou artificiais finamente divididos que; em contato com hidróxido de cálcio, na presença de umidade, formam compostos aglomerantes, visto que a pozolana por si só não constitui material aglomerante. Estes compostos são análogos aos do cimento portland. As pozolanas naturais mais importantes são as cinzas vulcânicas, não encontradas no Brasil. As principais pozolanas artificiais são as cinzas volantes resultantes da combustão de carvão mineral em usinas termelétricas ou argilas ou folhelhos argilosos ativados por calcinação entre 700ºc e 900ºc. Os dois tipos são utilizados no Brasil.
O cimento pozolânico, devido a reação pozolana com o hidróxido de cálcio liberado durante a hidratação do C2S e C3S, apresenta uma resistência química maior, pois o hidróxido de cálcio facilmente solúvel encontra-se combinado na forma de silicato de cálcio de…

CASO DE OBRA DE BARRAGEM COM PROBLEMA – Galgamento de Barragem

1.INTRODUÇÃO
O Açude de Orós está localizado no município de Orós, Estado do Ceará, aproximadamente a 450 km de Fortaleza, no rio Jaguaribe, e drena uma área de 25.000 km². Trata-se de um  reservatório de uso múltiplo, tendo como finalidades: a perenização do rio Jaguaribe;  irrigação do médio e baixo Jaguaribe; piscicultura; culturas agrícolas de áreas de montante;  turismo e aproveitamento hidrelétrico .
2.ENTENDA O CASO
Extensivamente estudado desde 1919, o projeto previa barragem com altura máxima de 54 m, crista na El. 209 m com 10 m de largura, taludes montante 2,5H:1,0V e taludes jusante  2,0H:1,0V. A barragem teve sua construção iniciada em 1958, com maciço em terra zonada,  composto por:
• núcleo impermeável, correspondente à maior parte do maciço, constituído por mistura de  argila, silte e areia e algum pedregulho, espalhado e compactado em camadas de 15 cm por  meio de rolos pé-de-carneiro. Ocupa no topo praticamente toda a largura da pista e se estende com talude 1,0H:1…