Pular para o conteúdo principal

CASO DE OBRA DE BARRAGEM COM PROBLEMA – Galgamento de Barragem

1.       INTRODUÇÃO

O Açude de Orós está localizado no município de Orós, Estado do Ceará, aproximadamente a
450 km de Fortaleza, no rio Jaguaribe, e drena uma área de 25.000 km². Trata-se de um  reservatório de uso múltiplo, tendo como finalidades: a perenização do rio Jaguaribe;  irrigação do médio e baixo Jaguaribe; piscicultura; culturas agrícolas de áreas de montante;  turismo e aproveitamento hidrelétrico .

2.       ENTENDA O CASO

Extensivamente estudado desde 1919, o projeto previa barragem com altura máxima de 54 m,
crista na El. 209 m com 10 m de largura, taludes montante 2,5H:1,0V e taludes jusante  2,0H:1,0V. A barragem teve sua construção iniciada em 1958, com maciço em terra zonada,  composto por:

• núcleo impermeável, correspondente à maior parte do maciço, constituído por mistura de  argila, silte e areia e algum pedregulho, espalhado e compactado em camadas de 15 cm por  meio de rolos pé-de-carneiro. Ocupa no topo praticamente toda a largura da pista e se estende com talude 1,0H:1,0V tanto para montante como para jusante. A massa específica  aparente seca máxima deste material era de 1820 kg/m³ no teor de umidade de 14,5%  (umidade ótima), 1795 kg /m³ a 13,5% de teor de umidade e de 1750 kg/m³ a 12,5% de  teor de umidade;

• zona intermediária, constituída por mistura de areia e pedregulho, obtidos de escavação no  leito do rio e de afluentes, compactada em camadas de 30 cm pela passagem de rolos  vibratórios;

• zona exterior, constituída por enrocamento obtido da escavação do vertedouro e de pedreira, lançado em camadas horizontais com cerca de 1 m de espessura.

Às 00:17 de 26/03/1960, quando a crista do maciço ainda estava próxima à El. 190 m, houve  o galgamento devido à insuficiência das obras de desvio, a uma taxa de cerca de 400 m³/s, com lâmina máxima de cerca de 0,80 m, sendo que todo o processo se desenvolveu ao longo de 12 h a 18 h .

Após várias tentativas para conter o transbordamento, julgou-se recomendável controlar o  acidente abrindo uma vala no eixo do vertedouro utilizando explosivos, às 10:00 do dia  26/03/1960, por onde a água passou a fluir em catarata, erodindo o maciço no eixo do  vertedouro até a fundação. O desgaste do topo da barragem recoberto pelas águas foi  pequeno, conformando um canal bem definido, de paredes quase verticais na fenda central  (Figura 1).

Como resultado da ruptura, a cidade de Limoeiro do Norte ficou praticamente toda alagada  durante a manhã do dia 27/10/1960. Não houve registro de mortes.

Figura 1: Maciço do Açude de Orós após o galgamento.


BIBLIOGRAFIA

SALIBA, Aloysio P. M. Uma nova abordagem para análise de ruptura por galgamento de barragens homogêneas de solo compactado. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia) –
Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SOLOS

Introdução Solo, do latim solum, o material da crosta terrestre, não consolidado, que ordinariamente se distingue das rochas, de cuja decomposição em geral provêm, por serem suas partículas desagregáveis pela simples agitação dentro da água [Holanda, A. Buarque de]. Geologicamente, define-se solo como o material resultante da decomposição das rochas pela ação de agentes de intemperismo. No âmbito da engenharia rodoviária, considera-se solo todo tipo de material orgânico ou inorgânico, inconsolidado ou parcialmente cimentado, encontrado na superfície da terra. Em outras palavras, considera-se como solo qualquer material que possa ser escavado com pá, picareta, escavadeiras, etc., sem necessidade de explosivos.
Agentes do Intemperismo: temperatura / pressão / alterações cristalinas / hidratação / agentes biofísicos – vegetação / agentes químicos – dissolução, oxidação, redução,hidratação, hidrólise, lixiviação. 
Origem dos Solos Com base na origem dos seus constituintes, os solos podem ser di…

Cimento Pozolânico

O cimento pozolânico é constituído de clínquer portland, gipsita (alguns porcentos) e cerca de 10 a 40% de Pozolana.

As pozolanas são materiais naturais ou artificiais finamente divididos que; em contato com hidróxido de cálcio, na presença de umidade, formam compostos aglomerantes, visto que a pozolana por si só não constitui material aglomerante. Estes compostos são análogos aos do cimento portland. As pozolanas naturais mais importantes são as cinzas vulcânicas, não encontradas no Brasil. As principais pozolanas artificiais são as cinzas volantes resultantes da combustão de carvão mineral em usinas termelétricas ou argilas ou folhelhos argilosos ativados por calcinação entre 700ºc e 900ºc. Os dois tipos são utilizados no Brasil.
O cimento pozolânico, devido a reação pozolana com o hidróxido de cálcio liberado durante a hidratação do C2S e C3S, apresenta uma resistência química maior, pois o hidróxido de cálcio facilmente solúvel encontra-se combinado na forma de silicato de cálcio de…

Blocos de Ancoragens

Durante o transporte de líquidos dentro de uma tubulação aparece empuxos decorrentes deste movimento que tendem a movimentar a tubulação. Para se evitar este movimento e procedida a utilização de blocos de ancoragem de concreto, é a técnica geralmente mais utilizada para equilibrar os esforços de empuxo hidráulico de uma canalização com bolsas, sob pressão.


PRINCÍPIO

Diferentes tipos de blocos de ancoragem podem ser colocados segundo a configuração da canalização, a resistência e a natureza do solo, a presença ou não de lençol freático. 

O bloco reage aos esforços de empuxo hidráulico de duas formas:
·por atrito entre o bloco e o solo (peso do bloco), por reação de apoio da parede da vala (engastamento).

Na prática, os blocos de ancoragem são calculados levando em consideração o atrito e a resistência de apoio sobre o terreno. 

Quando existem obstáculos ou se a má qualidade dos terrenos impossibilita a construção de blocos de ancoragem, é possível utilizar a técnica de travamento das juntas.