Pular para o conteúdo principal

Solo Grampeado



O solo grampeado é uma técnica bastante eficaz no que diz respeito ao reforço do solo “in situ” em taludes naturais ou taludes resultantes de processo de escavação. O grampeamento do solo é obtido através da inclusão de elementos lineares passivos, semi-rígidos, resistentes à flexão composta, denominados grampos. Os grampos podem ser barras ou tubos de aço ou ainda, barras sintéticas de seção cilíndrica ou retangular.


O emprego de técnicas de reforço de solos para a estabilização de taludes e escavações apresenta-se em expansão em todo o mundo. Dentre estas técnicas, a de solo grampeado tem cada vez mais ganhado aceitação no âmbito da engenharia geotécnica brasileira. Isso se deve principalmente ao seu baixo custo, versatilidade de adaptação à geometrias variadas, alta velocidade de execução e aplicação em solos inconsistentes com presença de nível d´água.

O solo grampeado é o resultado da introdução de chumbadores, barras de aço envolvidas por calda de cimento, na escavação de um maciço natural. Com a utilização desta solução de estabilização, a ideia é restringir os deslocamentos e transferir os esforços de uma zona potencialmente instável para uma zona resistente.

Este tipo de obra é comumente aplicado para a estabilização de taludes instáveis ou rompidos, emboques de túneis, escavação de subsolos, inclusive em centros urbanos, dentre outros.
Mas também é importante frisar que o processo pode impor deformações importantes e, por isso, sua utilização não é aconselhável em alguns casos específicos. O processo construtivo é realizado em etapas sucessivas e descendentes, envolvendo, tipicamente, quatro fases principais e repetitivas:
  • ·         escavação com altura limitada,
  • ·         execução dos chumbadores,
  • ·         construção da face com concreto projetado e
  • ·         implantação de um adequado sistema de drenagem.

A solução de solo grampeado apresenta algumas vantagens em relação às técnicas similares de reforço normalmente utilizadas, entre as quais podem ser citadas as que são apresentadas a seguir.

Baixo custo: nesta técnica, o único elemento estrutural utilizado para a estabilização são os chumbadores. A proteção do talude/escavação, seja em concreto projetado ou outro tipo de
estrutura, tem custo relativamente baixo em relação às soluções convencionais.

Equipamentos leves: os equipamentos utilizados nas diferentes etapas de execução (perfuração, injeção de calda de cimento e lançamento de concreto projetado) são leves e de
fácil manuseio.

Velocidade de execução: as técnicas utilizadas na execução do solo grampeado permitem uma boa produção. O tempo de execução é, em geral, menor, se comparado às soluções
convencionais.

Deformabilidade: por ser uma estrutura deformável, suporta com segurança a ocorrência de recalques totais ou diferenciais.

Flexibilidade: permite grande adaptação do projeto às condições geométricas do talude, além de inclinação da face, distribuição e dimensionamento dos chumbadores nos diferentes estágios de construção.

Um dos métodos utilizados para o dimensionamento de um solo grampeado é o bishop, proposto por Bishop (1955), que se trata de um método simplificado para cálculo de estabilidade do talude.

Para Moliterno (1994), durante a fase de projeto, também é necessário que se observe, atentamente, o comportamento das construções similares já executadas, principalmente em terrenos com ocorrência de diaclases (superfícies de roturas de rochas) preenchidos com argilas e na parte inferior de montanha classificado como colúvio (Talus). A contenção de taludes com predominância desses materiais é ainda bastante experimental, conseguindo-se resultados satisfatórios desde que seja impedida a saturação  (encharcamento).

Os estudos geotécnicos para o desenvolvimento de um projeto em solo grampeado acontecem, inicialmente através do conhecimento da natureza geológica da região na qual irá implantar-se a obra, bem como, se há um leve movimento do talude, alguma ocorrência de fissuras e o estado das canalizações de águas pluviais (ou outras quaisquer), o que pode de certa forma inviabilizar a aplicação da contenção.
 
Fontes:
CUNHA, L F. , SOLO GRAMPEADO – MÉTODO EXECUTIVO, Artigo Científico
MOLITERNO, Antônio; Caderno de Muros de Arrimo, 2º edição São Paulo –
1994.
SILVA, D P ,et al. SOLO GRAMPEADO, Artigo Engedata/Solotrat
Solotrat - Vídeo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SOLOS

Introdução Solo, do latim solum, o material da crosta terrestre, não consolidado, que ordinariamente se distingue das rochas, de cuja decomposição em geral provêm, por serem suas partículas desagregáveis pela simples agitação dentro da água [Holanda, A. Buarque de]. Geologicamente, define-se solo como o material resultante da decomposição das rochas pela ação de agentes de intemperismo. No âmbito da engenharia rodoviária, considera-se solo todo tipo de material orgânico ou inorgânico, inconsolidado ou parcialmente cimentado, encontrado na superfície da terra. Em outras palavras, considera-se como solo qualquer material que possa ser escavado com pá, picareta, escavadeiras, etc., sem necessidade de explosivos.
Agentes do Intemperismo: temperatura / pressão / alterações cristalinas / hidratação / agentes biofísicos – vegetação / agentes químicos – dissolução, oxidação, redução,hidratação, hidrólise, lixiviação. 
Origem dos Solos Com base na origem dos seus constituintes, os solos podem ser di…

Cimento Pozolânico

O cimento pozolânico é constituído de clínquer portland, gipsita (alguns porcentos) e cerca de 10 a 40% de Pozolana.

As pozolanas são materiais naturais ou artificiais finamente divididos que; em contato com hidróxido de cálcio, na presença de umidade, formam compostos aglomerantes, visto que a pozolana por si só não constitui material aglomerante. Estes compostos são análogos aos do cimento portland. As pozolanas naturais mais importantes são as cinzas vulcânicas, não encontradas no Brasil. As principais pozolanas artificiais são as cinzas volantes resultantes da combustão de carvão mineral em usinas termelétricas ou argilas ou folhelhos argilosos ativados por calcinação entre 700ºc e 900ºc. Os dois tipos são utilizados no Brasil.
O cimento pozolânico, devido a reação pozolana com o hidróxido de cálcio liberado durante a hidratação do C2S e C3S, apresenta uma resistência química maior, pois o hidróxido de cálcio facilmente solúvel encontra-se combinado na forma de silicato de cálcio de…

CASO DE OBRA DE BARRAGEM COM PROBLEMA – Galgamento de Barragem

1.INTRODUÇÃO
O Açude de Orós está localizado no município de Orós, Estado do Ceará, aproximadamente a 450 km de Fortaleza, no rio Jaguaribe, e drena uma área de 25.000 km². Trata-se de um  reservatório de uso múltiplo, tendo como finalidades: a perenização do rio Jaguaribe;  irrigação do médio e baixo Jaguaribe; piscicultura; culturas agrícolas de áreas de montante;  turismo e aproveitamento hidrelétrico .
2.ENTENDA O CASO
Extensivamente estudado desde 1919, o projeto previa barragem com altura máxima de 54 m, crista na El. 209 m com 10 m de largura, taludes montante 2,5H:1,0V e taludes jusante  2,0H:1,0V. A barragem teve sua construção iniciada em 1958, com maciço em terra zonada,  composto por:
• núcleo impermeável, correspondente à maior parte do maciço, constituído por mistura de  argila, silte e areia e algum pedregulho, espalhado e compactado em camadas de 15 cm por  meio de rolos pé-de-carneiro. Ocupa no topo praticamente toda a largura da pista e se estende com talude 1,0H:1…