Pular para o conteúdo principal

Dimensionamento de Adutoras por recalque - Parte 02


Estimativa da potência requerida pelo sistema

            Nós podemos também, a nível de anteprojeto estimar a potência necessária maneira para o grupo motor bomba, através de fórmulas como a que se segue:
            Onde,

Po = potência do conjunto elevatório em KW;
Q = vazão em l/s;
Hmt = altura manométrica total;
h = rendimento moto-bomba.

            A potência necessária pode ser calculada de outra forma, que é basicamente a mesma anterior, só que de outra forma:
            Onde,

Po = potência requerida, c.v.;
g = peso específico da água, 1000Kgf/m³;
Q = vazão do sistema, m³/s;
Hmt = altura manométrica total, m;
h = rendimento total do conjunto (motor x bomba).

            Para o nosso caso, como o sistema é dividido em dois trechos em recalque, ambos com aproximadamente o mesmo desnível geométrico, encontra-se:
Q= 1,18m³/s;
Hmt = 92 m;
h = 0,8.

Encontramos como potência requerida de 1820 c.v.,
Mas necessita-se colocar uma folga no sistema, e para P>20cv, adota-se uma folga de 10%, achando-se como valor do sistema a ser instalado, de 1994 c.v., aproximadamente 2000cv para cada uma das estações de bombeamento.
            Não, se pode esquecer que este dimensionamento e a título de anteprojeto, visto que a real potência a ser instalada, vai depender da curva da bomba a que se vai adotar.

Escolha da tubulação.

Os tubos empregados nos condutos forçados podem ser:
a) Tubos de ferro fundido (FoFo);Têm sido os mais empregados, tanto em obras de captação como nas adutoras, principalmente em redes de distribuição. Também tem sido largamente usado os tubos de ferro fundido dúctil que se distingue dos ferros fundidos cinzentos tradicionais por suas notáveis características mecânicas (elasticidade, resistência aos impactos, alongamento...).



b) Tubos plásticos PVC; Tem sido aplicados e tende a aumentar o seu emprego, principalmente nas redes de distribuição com diâmetros me­nores do que Ø 400 mm. Para pequenos diâmetros e quando se envolvem pequenas pressões é o material mais utilizado na maioria dos projetos.


c) Tubos de concreto armado; São indicados principalmente para adutoras de diâmetro grande. Sendo atualmente pouco utilizado devido à dificuldade de instalação de equipamentos especial ao longo da canalização, sendo necessário peças de outro material para a instalação das mesmas, sendo o material empregado para essas peças especiais o FoFo, que tem suas peças padronizadas.


               d) Tubos de aço; São empregados na captação como em adutoras princi­palmente, nos casos de diâmetro grande e de alta pressão in­terna. São bastante utilizados para a execução de peças especiais mesmo em adutoras com o emprego de outros materiais, muito utilizado nos barriletes. A sua utilização implica a instalação de sistema especial de combate a corrosão que é a chamada proteção catódica.
 Sistema Pirapama - Recife/PE - Diâmetro 1880mm
Sistema Pirapama - Recife/PE 


e) Tubos de PRFV (poliéster revestido com fibra de vidro); apresenta-se hoje em dia como uma nova alternativa para utilização em adutoras, com um preço bastante competitivo em relação ao principal componente utilizado, que é o FoFo. É classificado como um tubo flexível. Tubos de PRFV, em comparação direta com o ferro fundido é mais econômico, mas tem suas limitações. Primeira, o tubo para manter suas características, necessita de pressão externa que o envolva para manter sua resistência, por ser um tubo flexível  necessita de pressão externa uniforme, portanto será utilizado nos trechos enterrados em que não tenha o perigo de ficarem expostos. E a outra limitação fica por conta do vandalismo que já ocorreu em outras adutoras, que nos trechos aparentes as tubulações ficam mais vulneráveis. 
Estrada da Batalha - Jaboatão/PE - Tubo PRFV 600mm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SOLOS

Introdução Solo, do latim solum, o material da crosta terrestre, não consolidado, que ordinariamente se distingue das rochas, de cuja decomposição em geral provêm, por serem suas partículas desagregáveis pela simples agitação dentro da água [Holanda, A. Buarque de]. Geologicamente, define-se solo como o material resultante da decomposição das rochas pela ação de agentes de intemperismo. No âmbito da engenharia rodoviária, considera-se solo todo tipo de material orgânico ou inorgânico, inconsolidado ou parcialmente cimentado, encontrado na superfície da terra. Em outras palavras, considera-se como solo qualquer material que possa ser escavado com pá, picareta, escavadeiras, etc., sem necessidade de explosivos.
Agentes do Intemperismo: temperatura / pressão / alterações cristalinas / hidratação / agentes biofísicos – vegetação / agentes químicos – dissolução, oxidação, redução,hidratação, hidrólise, lixiviação. 
Origem dos Solos Com base na origem dos seus constituintes, os solos podem ser di…

Cimento Pozolânico

O cimento pozolânico é constituído de clínquer portland, gipsita (alguns porcentos) e cerca de 10 a 40% de Pozolana.

As pozolanas são materiais naturais ou artificiais finamente divididos que; em contato com hidróxido de cálcio, na presença de umidade, formam compostos aglomerantes, visto que a pozolana por si só não constitui material aglomerante. Estes compostos são análogos aos do cimento portland. As pozolanas naturais mais importantes são as cinzas vulcânicas, não encontradas no Brasil. As principais pozolanas artificiais são as cinzas volantes resultantes da combustão de carvão mineral em usinas termelétricas ou argilas ou folhelhos argilosos ativados por calcinação entre 700ºc e 900ºc. Os dois tipos são utilizados no Brasil.
O cimento pozolânico, devido a reação pozolana com o hidróxido de cálcio liberado durante a hidratação do C2S e C3S, apresenta uma resistência química maior, pois o hidróxido de cálcio facilmente solúvel encontra-se combinado na forma de silicato de cálcio de…

Blocos de Ancoragens

Durante o transporte de líquidos dentro de uma tubulação aparece empuxos decorrentes deste movimento que tendem a movimentar a tubulação. Para se evitar este movimento e procedida a utilização de blocos de ancoragem de concreto, é a técnica geralmente mais utilizada para equilibrar os esforços de empuxo hidráulico de uma canalização com bolsas, sob pressão.


PRINCÍPIO

Diferentes tipos de blocos de ancoragem podem ser colocados segundo a configuração da canalização, a resistência e a natureza do solo, a presença ou não de lençol freático. 

O bloco reage aos esforços de empuxo hidráulico de duas formas:
·por atrito entre o bloco e o solo (peso do bloco), por reação de apoio da parede da vala (engastamento).

Na prática, os blocos de ancoragem são calculados levando em consideração o atrito e a resistência de apoio sobre o terreno. 

Quando existem obstáculos ou se a má qualidade dos terrenos impossibilita a construção de blocos de ancoragem, é possível utilizar a técnica de travamento das juntas.