Pular para o conteúdo principal

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO




PRELIMINARES

Tem-se basicamente os seguintes passos para a produção da estrutura:

- recebimento do sistema de fôrmas;

- montagem das fôrmas e armaduras dos pilares;

- recebimento das fôrmas e armaduras dos pilares;

- liberação dos pilares;

- montagem das fôrmas de vigas e lajes;

- liberação das fôrmas de vigas e lajes;

- concretagem dos pilares;

- montagem da armadura de vigas e lajes;

- liberação da armadura de vigas e lajes;

- concretagem de vigas e lajes;

- desforma;

- reinicio do ciclo de execução;



Recebimento do Sistema de Fôrmas

Para o recebimento do sistema de fôrmas, recomenda-se que sejam adotados os seguintes procedimentos:

- definição prévia do local para depósito, o qual deverá estar preparado para recebimento, devendo ser coberto, ou providenciar uma lona para o proteção das fôrmas;

- medir todas as peças;

- verificar o corte das peças (se alinhado, se torto, se ondulado);

- verificar a pintura das bordas do compensado;

- verificar a quantidade de peças e de pregos;

- verificar o espaçamento entre sarrafos (quando o molde da fôrma for estruturado).

Recebidas as fôrmas deverá ter início a sua montagem.




Montagem das Fôrmas dos Pilares

Para a montagem das fôrmas dos pilares são recomendados os seguintes procedimentos:

- a locação dos pilares do 1º pavimento deve ser feita a partir dos eixos definidos na tabeira, devendo-se conferir o posicionamento dos arranques; o posicionamento dos pilares dos demais pavimentos deve tomar como parâmetro os eixos de referência previamente definidos;

- locação do gastalho de pé de pilar, o qual deverá circunscrever os quatro painéis, devendo ser devidamente nivelado e unido. Ë comum que o ponto de referência de nível esteja em pilares junto ao elevador;

- limpeza da armadura de espera do pilar (arranques);

- controle do prumo da fôrma do pilar e da perpendicularidade de suas faces;

- posicionamento das três faces do pilar, nivelando e aprumando cada uma das faces com o auxílio dos aprumadores (escoras inclinadas);

- passar desmoldante nas três faces (quando for utilizado);

- posicionamento da armadura segundo o projeto, com os espaçadores e pastilhas devidamente colocados;

- fechamento da fôrma com a sua 4ª face;

- nivelamento, prumo e escoramento da 4ª face.

Neste momento pode-se concretar os pilares, sem que se tenha executado as fôrmas de vigas e lajes, ou então, preparar as fôrmas de vigas e lajes e concretar o pilar somente depois que estiverem devidamente montadas. Uma ou outra alternativa traz vantagens e desvantagens, devendo-se analisar cada caso com suas especificidade.



Vantagens e desvantagens de se concretar o pilar antes ou depois da execução das fôrmas de vigas e lajes:



VANTAGENS da concretagem do pilar ANTES de executar as demais fôrmas:

- a laje do pavimento de apoio dos pilares (laje inferior) está limpa e é bastante rígida, sendo mais fácil entrar e circular com os equipamentos necessários à concretagem;

- proporciona maior rigidez à estrutura para a montagem das fôrmas seguintes;

- ganha-se cerca de três dias a mais de resistência quando do início da desforma, que correspondem ao tempo de montagem das fôrmas de lajes e vigas.

DESVANTAGENS da concretagem do pilar ANTES de executar as demais fôrmas

- é necessário montagem de andaimes para concretagem;

- geometria e posicionamento do pilar devem receber cuidados específicos, pois se o mesmo ficar 1,0 cm que seja fora de posição, inviabiliza a utilização do jogo de fôrmas.

Para evitar este possível erro há a necessidade de gabaritos para definir corretamente o distanciamento entre pilares, o que implica em investimentos, sendo que nos procedimentos tradicionais dificilmente existem tais gabaritos.

Na sequência de execução que se está propondo neste trabalho, os pilares serão executados posteriormente à montagem das fôrmas de vigas e lajes. Assim, uma vez posicionadas as fôrmas e armaduras do pilar, deve-se fazer o controle de recebimento do pilar montado, podendo-se, na sequência, montar as fôrmas de vigas e lajes.



Controle de Recebimento da Montagem dos Pilares



Para este controle recomenda-se que se façam as seguintes verificações:

- posicionamento do gastalho de pé-de-pilar;

- prumo e nível;

- verificação da firmeza dos gastalhos ou gravatas, dos tensores e aprumadores.



Montagem de Fôrmas de Vigas e Lajes



Recebidos os pilares tem início a montagem das fôrmas de vigas e lajes, recomendando-se que sejam seguidos os procedimentos descritos a seguir:

- montagem dos fundos de viga apoiados sobre os pontaletes, cavaletes ou garfos;

- posicionamento das laterais das vigas;

- posicionamento das galgas, tensores e gravatas das vigas;

- posicionamento das guias e pés-direitos de apoio dos painéis de laje;

- posicionamento dos travessões;

- distribuição dos painéis de laje;

- transferência dos eixos de referência do pavimento inferior;

- fixação dos painéis de laje;

- colocação das escoras das faixas de laje;

- alinhamento das escoras de vigas e lajes;

- nivelamento das vigas e lajes;

- liberação da fôrma para a colocação da armadura (e também colocação de instalações embutidas, que neste trabalho não será abordada).



Controle de Recebimento da Fôrma de Vigas e Lajes



Para a liberação das fôrmas e consequente posicionamento das armaduras, deve-se proceder à verificação do posicionamento das fôrmas, recomendando-se que sejam verificados os pontos listados a seguir:

- encontro viga/pilar (verificar possíveis frestas);

- posicionamento das escoras das vigas;

- posicionamento das laterais das vigas;

- distribuição de travessões e longarinas de apoio da laje;

- conferência dos eixos de referência;

- posicionamento das escoras de lajes;

- localização das "bocas" de pilares e vigas;

- distribuição de painéis - verificar se há sobreposição ou frestas;

- alinhamento e prumo das escoras;

- nivelamento das vigas e lajes;

- limpeza geral da fôrma;

- aplicação de desmoldante quando for utilizado.

Liberadas as fôrmas, pode-se efetuar a concretagem dos pilares.



Procedimentos para a Concretagem dos Pilares



O concreto utilizado para a concretagem do pilar poderá ser produzido na obra ou comprado de alguma central de produção; no entanto, seja qual for a sua procedência, deverá ser devidamente controlado antes de sua aplicação, sendo que os ensaios mais comuns para o controle de recebimento do concreto são o "slump-test" e o controle da resistência à compressão (fck).

Uma vez liberado, o concreto deverá ser transportado para o pavimento em que está ocorrendo a concretagem, o que poderá ser realizado por elevadores de obra e jericas, gruas com caçambas, ou bombeamento.

Quando o transporte ‚ realizado com bomba, o lançamento do concreto no pilar é realizado diretamente, com o auxílio de um funil. Quando o transporte é feito através de caçambas ou jericas, é comum primeiro colocar o concreto sobre uma chapa de compensado junto à "boca" do pilar e, em seguida, lançar o concreto para dentro dele, nas primeiras camadas por meio de um funil, e depois diretamente com pés e enxadas.

O lançamento do concreto no pilar deve ser feito por camadas não superiores a 50cm, devendo-se vibrar cada camada expulsando os vazios. A vibração usualmente‚ realizada com vibrador de agulha.

Terminada a concretagem deve-se limpar o excesso de argamassa que fica aderida ao aço de espera (arranque do pavimento superior) e à fôrma.



Verificação da Concretagem do Pilar



A verificação da concretagem do pilar deve ser feita durante a realização dos serviços, sendo recomendado que:

- seja verificada a operação de vibração, isto ‚é se toda a camada de concreto está sendo vibrada, bem como se está sendo respeitado o tempo de vibração;

- se o lançamento do concreto está sendo feito em camadas que o vibrador possa efetivamente alcançar em toda a sua espessura;

- se os procedimentos para cura da superfície exposta estão sendo observados.

Finalizada a concretagem dos pilares tem início a colocação das armaduras nas fôrmas de vigas e lajes.



Colocação das Armaduras nas Fôrmas de Vigas e Lajes



Considerando-se que as armaduras estejam previamente cortadas e pré-montadas, tendo sido devidamente controlado o seu preparo, tem início o seu posicionamento nas fôrmas, recomendando-se observar os seguintes procedimentos:

- antes de colocar a armadura da viga na fôrma, deve-se colocar as pastilhas de cobrimento;

- posicionar a armadura de encontro viga-pilar (amarração) quando especificada em projeto;

- marcar as posições das armaduras nas lajes;

- montar a armadura na laje com a colocação das pastilhas de cobrimento (fixação da armadura com arame recozido n.º 18);

- chumbar os ferros para definição dos eixos.

Uma vez executada a armadura, deve-se proceder ao controle de recebimento para liberação da laje para a concretagem.



Verificações para liberação da Armadura de Vigas e Lajes



Após executado o serviço e antes da concretagem propriamente dita, o engenheiro residente ou o engenheiro responsável pela execução da estrutura deverá conferi-la, verificando se está em conformidade com o projeto. Esta conferência não deve ser feita por amostragem e sim peça a peça, com os seguintes itens básicos de verificação:

- posicionamento, diâmetro e quantidade de barras;

- espaçamento da armadura de laje;

- espaçamento dos estribos de vigas;

- disposição da armadura dos pilares no transpasse (emenda);

- colocação da armadura especificada no encontro viga-pilar;

- colocação dos caranguejos;

- colocação de pastilhas de cobrimento;

- posicionamento de galgas e mestras;

- limpeza geral das fôrmas.

Liberada a armadura pode ter início a concretagem das vigas e lajes, sendo os procedimentos mais comuns apresentados na sequência.



Procedimentos para a Concretagem das Vigas e Lajes



O concreto utilizado para a concretagem das vigas e lajes poderá ser produzido na obra ou comprado de alguma central de produção; no entanto, seja qual for a sua procedência, deverá ser devidamente controlado antes de sua aplicação, sendo que os ensaios mais comuns para o controle de recebimento do concreto são o "slump-test" e o controle da resistência à compressão (fck).

Uma vez liberado, o concreto deverá ser transportado para o pavimento em que está ocorrendo a concretagem, o que poderá ser realizado por elevadores de obra e jericas, gruas com caçambas, ou bombeamento.

Quando o transporte ‚ realizado com bomba, o lançamento do concreto nas vigas e lajes ‚ realizado diretamente, devendo-se tomar os seguintes cuidados no preparo do equipamento:

- nivelar a bomba;

- travar a tubulação em peças já concretadas (deixar livre a fôrma da laje que está sendo concretada);

- lubrificar a tubulação com argamassa de cimento e areia, não utilizando esta argamassa para a concretagem;

- iniciar o bombeamento.

Quando o transporte ‚ feito através de gruas, utilizando-se caçambas, deve-se limpar devidamente a caçamba de transporte, bem como as jericas, no caso de se utilizar elevador de obra, sendo que neste último caso, será necessário o emprego de PASSARELAS ou CAMINHOS para a passagem das jericas sobre a laje que deverá ser concretada.









Procedimentos Recomendados para Lançamento do Concreto



- lançar o concreto diretamente sobre a laje:

- espalhar o concreto com auxílio de pés e enxadas:

- lançar o concreto na viga com auxílio de pés e enxadas:

- adensamento com vibrador:

* de agulha, ou

* régua vibratória (evita o sarrafeamento);

- sarrafear o concreto;

- colocação das peças de p‚ de pilar que receberão os gastalhos de pé de pilar;

- colocação dos sarrafos para fixação dos aprumadores de pilar;

- retirada das mestras;

- acabamento com desempenadeira;

- início da cura da laje (molhagem) logo que for possível andar sobre o concreto.





Procedimentos para Desforma



Respeitar o tempo de cura para início da desforma, que segundo a norma de execução de estruturas de concreto armado ‚ dado por:

. 3 dias para retirada de fôrmas de faces laterais;

. 7 dias para a retirada de fôrmas de fundo, deixando-se algumas escoras bem encunhadas;

. 21 dias para retirada total do escoramento;

- execução do reescoramento (antes do início da desforma propriamente dita);

- retirada dos painéis com cuidado para não haver queda e danificá-los;

- fazer a limpeza dos painéis;

- efetuar os reparos (manutenção) necessários;

- transportar os painéis para o local de montagem;

- verificar o concreto das peças desformadas.

REINíCIO DO CICLO DE PRODUÇÃO NO PAVIMENTO SEGUINTE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SOLOS

Introdução Solo, do latim solum, o material da crosta terrestre, não consolidado, que ordinariamente se distingue das rochas, de cuja decomposição em geral provêm, por serem suas partículas desagregáveis pela simples agitação dentro da água [Holanda, A. Buarque de]. Geologicamente, define-se solo como o material resultante da decomposição das rochas pela ação de agentes de intemperismo. No âmbito da engenharia rodoviária, considera-se solo todo tipo de material orgânico ou inorgânico, inconsolidado ou parcialmente cimentado, encontrado na superfície da terra. Em outras palavras, considera-se como solo qualquer material que possa ser escavado com pá, picareta, escavadeiras, etc., sem necessidade de explosivos.
Agentes do Intemperismo: temperatura / pressão / alterações cristalinas / hidratação / agentes biofísicos – vegetação / agentes químicos – dissolução, oxidação, redução,hidratação, hidrólise, lixiviação. 
Origem dos Solos Com base na origem dos seus constituintes, os solos podem ser di…

Cimento Pozolânico

O cimento pozolânico é constituído de clínquer portland, gipsita (alguns porcentos) e cerca de 10 a 40% de Pozolana.

As pozolanas são materiais naturais ou artificiais finamente divididos que; em contato com hidróxido de cálcio, na presença de umidade, formam compostos aglomerantes, visto que a pozolana por si só não constitui material aglomerante. Estes compostos são análogos aos do cimento portland. As pozolanas naturais mais importantes são as cinzas vulcânicas, não encontradas no Brasil. As principais pozolanas artificiais são as cinzas volantes resultantes da combustão de carvão mineral em usinas termelétricas ou argilas ou folhelhos argilosos ativados por calcinação entre 700ºc e 900ºc. Os dois tipos são utilizados no Brasil.
O cimento pozolânico, devido a reação pozolana com o hidróxido de cálcio liberado durante a hidratação do C2S e C3S, apresenta uma resistência química maior, pois o hidróxido de cálcio facilmente solúvel encontra-se combinado na forma de silicato de cálcio de…

CASO DE OBRA DE BARRAGEM COM PROBLEMA – Galgamento de Barragem

1.INTRODUÇÃO
O Açude de Orós está localizado no município de Orós, Estado do Ceará, aproximadamente a 450 km de Fortaleza, no rio Jaguaribe, e drena uma área de 25.000 km². Trata-se de um  reservatório de uso múltiplo, tendo como finalidades: a perenização do rio Jaguaribe;  irrigação do médio e baixo Jaguaribe; piscicultura; culturas agrícolas de áreas de montante;  turismo e aproveitamento hidrelétrico .
2.ENTENDA O CASO
Extensivamente estudado desde 1919, o projeto previa barragem com altura máxima de 54 m, crista na El. 209 m com 10 m de largura, taludes montante 2,5H:1,0V e taludes jusante  2,0H:1,0V. A barragem teve sua construção iniciada em 1958, com maciço em terra zonada,  composto por:
• núcleo impermeável, correspondente à maior parte do maciço, constituído por mistura de  argila, silte e areia e algum pedregulho, espalhado e compactado em camadas de 15 cm por  meio de rolos pé-de-carneiro. Ocupa no topo praticamente toda a largura da pista e se estende com talude 1,0H:1…